terça-feira, 12 de outubro de 2010

Eu tenho uma alma gémea.


Há quem ainda ande á procura dela. Há quem a tenha encontrado. Há quem ainda espere por ela.

Esta é uma das benções que me foi dada, quando nasci conheci a minha alma gémea.

Aos meses de vida deu-me duas agulhas de trico para brincar e atirou-me com um sabonete, em direcção a minha "moleirinha", na altura isenta de ossinhos protectores. Histórias.

Aos meus 5 anos (julgo), quando a deixaram levar-me, a primeira vez que passeou sozinha comigo no meu kispo verde, para ir buscar o meu padrinho á paragem, disse que viu um brilho em mim. E eu, desde que me lembro de ser gente que vejo esse brilho nela. Segui-a como um ídolo, preferia aos meus 15 anos andar com ela e com os seus amigos "grandes" ao invés de brincar com os da minha idade. Idolatrava cada vestimenta que usava e quando fosse grande queria ser como ela. Ouvia as histórias de terror do Chucky e dos bonecos diabólicos que ela me contava á noite e me faziam passar a noite de bexiga cheia. E eu gostava, queria sempre mais, mesmo quando ela pendurava peluches por cima da cama e dizia que não tinha nada a ver com isso. Guardava papelinhos e tralha dela, e cada trapo que me desse eu guardava como se fosse alta costura. Fez-me as primeiras calças para a barbie e foi aí que aprendi a costurar. Chorava sempre nas despedidas e foi com quem passei as minhas primeiras férias fora de casa.

Hoje continuamos a ver filmes de terror em conjunto, continuamos a ser o que fomos. Partilhamos cafés de 5 horas que não nos chegam para contar tudo. Ainda hoje prefiro dormir num colchão ao lado dela, seja na aldeia ou em casa dela. Todos os anos acampamos e é sempre perfeito. Sabemos isso, mas nunca fomos de nos enchermos de pirosismos para estar sempre a dizer isso.

Como ela me disse; "A nossa alma gémea não tem de ser um companheiro para casar, pode ser um familiar, um amigo, um desconhecido, só tem de ser simplesmente uma alma gémea".

Eu acredito nisto e ainda hoje, aos meus 24, nos seus 34, ela é a minha alma gémea.

Ela é a minha prima S.

by N. (de lagriminha no canto do olho)



1 comentário:

marina disse...

Hoje sai do trabalho a pensar que não significava nada. Hoje deito-me na cama com a certeza de que significo alguma coisa, e a culpa é tua...
Hoje sai do tabalho com os olhos molhados. Hoje deito-me com os olhos molhados devido a um grande sorriso na cara, e a culpa é tua.

ADORO-TE mini-mim

Ps: obg. por me tirares um ano na idade